Longe do glamour, nova geração de curadores de museus e galerias tem rotina árdua

SILAS MARTÍ
DE SÃO PAULO

Eles nasceram “fora do Olimpo”, têm as mãos “mais sujas” e dizem que há muito mais trabalho braçal do que glamour em ser curador. A nova geração desses profissionais que desponta no país já conquistou espaço no circuito, mas ainda tenta decifrar a arte contemporânea.

Decifrar, catalogar, ordenar, exibir, criticar, contextualizar e uma série de outros verbos aplicados à dissecação de um dos campos que mais cresce nas artes visuais brasileiras, projetando a imagem do país lá fora.

Curadores são tema de livros, mostra e seminário

Nos últimos dez anos, houve o que esses jovens curadores chamam de “desmistificação” da profissão, com a multiplicação de cursos formadores, a maior inserção da geração nos grandes museus e centros culturais do país e a voracidade de um mercado de arte que catapultou a demanda por novos nomes.

Os curadores Paulo Miyada e Ana Maria Maia

Os curadores Paulo Miyada e Ana Maria Maia

“Nós somos a última geração autodidata, uma geração de passagem”, diz Paulo Miyada, 27, que vem organizando mostras de relevância no Instituto Tomie Ohtake. “Mesmo que haja um ‘star system’ nas artes visuais, vivemos um cotidiano mais braçal do que glamouroso.”

Bernardo Mosqueira, 24, carioca que montou sua primeira exposição há três anos, levando obras de 47 artistas a sua casa no Jardim Botânico, é mais direto e denuncia a “falência da imagem do curador”, o fim da ideia exagerada “do cara vestido de Armani, viciado em cocaína e preso à agenda telefônica”.

“Essa imagem é uma cilada, é irreal”, diz Mosqueira. “A ponta visível do iceberg, que é a abertura da exposição, com todo mundo em volta de você, é só o topo brilhante da montanha. Mas abaixo dela, há um trabalho sinistro e árduo de pesquisa. Não é nada ‘rock star’.”

“Nossa geração já nasceu fora do Olimpo”, diz Ana Maria Maia, 28, que será assistente de Lisette Lagnado no próximo Panorama da Arte Brasileira, uma das mostras mais relevantes deste ano.

“Era quase um desígnio divino exercer esse cargo, mas não somos mais essa figura soberba e cultuada. Artistas e curadores hoje são contemporâneos, travam uma conversa que acontece agora.”

Moacir dos Anjos, que escalou Maia para ser sua assistente à frente da Bienal de São Paulo há três anos, vê uma “mudança perceptível de atitude” nesse campo. “Há uma insatisfação dessa geração com os modelos já existentes e uma disposição muito maior para experimentar.”

Embora seja cedo, na opinião dele, para apontar novas tendências de curadoria, o sistema amadurece. “Essa geração consegue inserir o artista num campo mais amplo, tirar a arte de seu lugar específico e pôr ideias em conflito”, diz Anjos. “Mas vai haver uma seleção natural entre os que têm algo a dizer e os que só têm uma pose a defender.”

TESÃO E PODER

Isso porque existem os que trabalham “por tesão” e os que vão atrás de “poder”, nas palavras de Mosqueira. Mas os que se firmam, na opinião de Luisa Duarte, 33, são os curadores que conseguem ser “intelectuais de seu tempo”.

“É um trabalho de ir formando um olhar mais agudo sobre a produção contemporânea”, diz Duarte. “Hoje há uma troca mais horizontal entre curadores e artistas, uma relação mais intensa do que nas gerações anteriores.”

Solange Farkas, que costuma escalar jovens curadores para ajudar a organizar o festival Videobrasil, também enxerga relações mais próximas entre curador e artista, mas não atribui isso à geração.

“Vivemos um bom momento com a nova safra de curadores. É um contraponto ao mercado voraz”, diz Farkas. “Mas, jovem ou velho, sempre acreditei num diálogo de igual para igual com o artista. Não acredito em grandes nomes da curadoria. Isso tem mais a ver com ego e vontade de projeção no mercado.”

Se a arte e seu mercado são indissociáveis, equilibrar esses campos de forma inteligente é o desafio da nova leva de curadores, na opinião de Moacir dos Anjos.

“É um processo de construção e demolição constante”, diz o curador. “Mas a ambição deve ser fugir da superfície, da coisa rasa, e fazer algo com significado real.”

Fonte: Folha de São Paulo

 

Posts Relacionados:

Com as tags: , , , , , , , , , , |

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *