Caixa cultural exibe a exposição “Harald Schultz – Olhar Antropológico”

A CAIXA Cultural São Paulo apresenta a exposição “Harald Schultz – Fotógrafo Etnógrafo”, formatada a partir das fotografias tiradas pelo etnógrafo Harald Schultz (1909-1966), que dedicou quase trinta anos de sua vida à elucidação das culturas indígenas brasileiras.

As fotografias fazem parte do acervo do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP, que conta com uma extensa coleção de imagens tiradas por Schultz entre 1943 e 1965, durante expedições realizadas a diversos estados brasileiros e alguns países da América Latina, como Peru e Bolívia.

A exposição é composta por cerca de 200 imagens que retratam – de maneira informativa e artística – aspectos de diversos de grupos indígenas, tais como os Javaé, Umutina, Kaxinauá, Krahô, Tapirapé e Waujá, entre outros.

Segundo o antropólogo Herbert Baldus (1899-1970), Harald Schultz foi o “estudioso da vida indígena, preenchendo seus diários de viagem com descrições pormenorizadas; hábil colecionador, satisfazendo as exigências dos museus sem depauperar os produtores do material colhido; o artista tornando visíveis em foto e filme as sutilezas indizíveis das culturas alheias; e sempre e a cada hora o amigo incondicional dos índios, sofrendo por eles, com eles, e encontrando sua felicidade entre eles”.

A exposição conta com a curadoria das especialistas Marília Xavier Cury e Sandra Maria Christiani de La Torre Lacerda Campos, ambas do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP, e tem como temas principais a arte plumária e a pintura corporal. Segundo Marília Xavier Cury, “o sentido da arte plumária para seus produtores é o de por em comunicação os homens com o cosmos; sua beleza se realiza no contexto da festa e do rito”.

Além da exposição, serão realizadas três palestras gratuitas com antropólogos e etnólogos contemporâneos, que versarão sobre os grupos culturais representados, suas experiências pessoais em campo e sobre a importância do registro fotográfico para a etnologia.

SERVIÇO: 

Local: CAIXA Cultural SP – Sé

Período: 10 de Março a 20 de Maio de 2012.

Horário de visitação: de terça-feira a domingo, das 9h às 21h.

Informações, agendamento de visitas mediadas e translado (ônibus) para escolas públicas: (11) 3321-4400.

Entrada franca.

Classifcação etária: Livre

INFORMAÇÕES SOBRE AS PALESTRAS: 

DIA 21 DE MARÇO 

Sonia Ferraro Dorta e Marília Xavier Cury – “A inserção de Harald Schultz na etnografia do Museu Paulista” 

Sonia Ferraro Dorta 

É antropóloga formada pela USP. Foi pesquisadora do Museu Paulista e do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP. Tem diversas publicações em catálogos, livros e revistas científicas, tais como o livro “A Plumária Indígena Brasileira no Acervo do MAE/USP”, que oferece um rico panorama da arte plumária dos povos indígenas brasileiros, aprofundando a elaboração e os contextos de uso de artefatos plumários entre os índios.

Marília Xavier Cury 

Museóloga formada no Instituto de Museologia de São Paulo. Atua na área de museologia e museus desde 1985, tendo trabalhado no Museu Municipal Família Pires, Estação Ciência e Museu Lasar Segall.

Atualmente é professora doutora do Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, onde ministra cursos, desenvolve pesquisa e coordena ações expográficas.

DIA 17 DE ABRIL 

Fernando de Tacca – “A Imagem do Índio na Comissão Rondon” 

É professor Livre Docente no Departamento de Multimeios, Mídia & Comunicação do Instituto de Artes, e responsável pelas disciplinas “História da Fotografa” e “Antropologia da Imagem”, do curso de Midialogia.

Foi vencedor do I Concurso Marc Ferrez de Fotografa (Funarte, 1984) e contemplado pela Bolsa Vitae de Artes 2002. Em 2006 ganhou o Prêmio Pierre Verger de Fotografa

da Associação Brasileira de Antropologia e o Prêmio de Reconhecimento Acadêmico Zeferino Vaz (Unicamp).

Publicou o livro “A Imagética da Comissão Rondon” (2001), e mais de 50 artigos sobre fotografa, cinema e antropologia visual. Realizou várias exposições fotográficas no Brasil e no exterior. É coordenador do Núcleo de Pesquisa “Fotografa: Comunicação e Cultura”, da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares em Comunicação, desde 2004.

DIA 16 DE MAIO 

Luís Donisete Benzi Grupioni – “Patrimônios Culturais e Povos Indígenas” 

Antropólogo, com mestrado pela Universidade de São Paulo (USP) e doutorando nesta mesma universidade.

Foi fundador e pesquisador do Mari – Grupo de Educação Indígena da USP, de 1988 a 2002, e é pesquisador associado ao Núcleo de História Indígena e do Indigenismo da USP (NHII-USP).

Foi assessor do Ministério da Educação para a política nacional de educação indígena (1999-2002), consultor contratado pelo PNUD para assessorar o Ministério da Educação com as ações de educação indígena (2005-2006) e pela Unesco (2007) para assessorar o Conselho Nacional de Educação (CNE).

Fonte: MAE USP

Posts Relacionados:

Com as tags: , , , , , , , , |

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *