Exposição “Pinturas” de Kael Carniel

Pinturas Kael CarnielA primeira reação que tive quando conheci os trabalhos do artista Kael Carniel, foi um total encantamento pela genialidade na transformação de coisas aparentemente banais e descartáveis, em objetos de arte. A essa surpresa se seguiu a constatação de sua intensa dedicação à arte.
Kael vive, respira, come e dorme com a arte. É um artista em tempo integral, professor de arte na rede Pública e uma espécie de guia das artes de milhares de jovens alunos que já passaram por suas salas de aula. Sua própria residência ateliê é um deposito de arte fascinante, repleto de memórias abandonadas e sucateadas pela sociedade que através suas mãos são recriadas e alinhadas em conjuntos e jogos de cores e re-significância.
O conjunto dos trabalhos de Kael remete o observador a um universo de cores e estéticas circenses, caricaturadas no palhaço, de que ele se utiliza para expressar, de um modo pessoal, criativo e anárquico, o mistério da sua própria existência.
Seu trabalho metódico e silencioso inicia-se em um colecionismo espontâneo, fruto de apropriações de objetos que lhe alcançam as mãos em incansáveis caminhadas e insaciáveis garimpos nos inúmeros contêineres espalhados pela cidade, e reproduz uma pesquisa do tecido urbano numa linguagem teatral pictórica que nos remete a sua própria origem teatral. De fato, Kael elabora sua obra como se produz um espetáculo de teatro. Primeiro sua cor de fundo predileta e moldura é, via de regra, o negro, como nas rotundas dos cenários. E demais, tudo parece ser pensado e estudado para funcionar como se fosse um espetáculo visual.
Nesta exposição elaborada para o espaço Gambalaia o artista ousa mais uma vez e propõe Pinturas como obras de arte e como título de sua Exposição. Aqui suas obras fluem de exercícios estéticos do lúdico e do hipnótico fazendo tudo se mover, tudo se romper e se recolocar. As formas básicas originárias, como os círculos não finitos, o traço bruto e a cor pura são utilizados de maneira arquitetadamente repetitiva na condução da mensagem do artista.

Damara Bianconi

 

« Voltar